EnglishFrenchGermanItalianPortuguesRussianSpanish
Home / Foodservice / CLIMA:- BERKELY, CA, PROÍBE O USO DE GÁS NATURAL EM RESTAURANTES
PROIBIDO O USO DE GÁS DE COZINHA EM BERKELEY

CLIMA:- BERKELY, CA, PROÍBE O USO DE GÁS NATURAL EM RESTAURANTES

HÁ UMA BATALHA JUDICIAL EM ANDAMENTO NOS EUA SOBRE O PAPEL DOS FOGÕES DE COZINHA DE RESTAURANTES NAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS.

A California Restaurant Association entrou com um processo para impedir que a cidade de Berkeley, proíba o uso de gás natural e para impedir a pressão dos ambientalista para impor a energia elétrica nas cozinhas.

Ação judicial já era esperada na batalha com ambientalistas para evitar mudanças climáticas

Lisa Jennings 22 de novembro de 2019

Argumentando que os chefs de restaurantes precisam cozinhar em fogo, a CRA – California Restaurant Association, entrou com um processo contra a cidade de Berkeley, na Califórnia, para barrar uma proibição pioneira do uso de gás natural na maioria dos novos edifícios.

Berkeley no início deste ano tornou-se a primeira cidade dos EUA a aprovar uma lei para começar a eliminar progressivamente o uso de tubos de gás natural em novas construções, como parte de um esforço maior para se tornar totalmente elétrico objetivando atender às metas de redução de gases de efeito estufa.

O processo movido no Tribunal Distrital dos EUA para o Distrito Norte da Califórnia, prepara o terreno para o que provavelmente será uma batalha em andamento sobre o papel dos fogões de cozinha de restaurantes nas mudanças climáticas.

Os defensores da lei de Berkeley disseram que o uso e transporte de gás natural compõem 27% das emissões de gases de efeito estufa da cidade e 73% das emissões do setor de construção. À medida que o Estado avança no uso de fontes de energia solar e alternativa, a eletricidade é vista como uma opção mais ecológica. A ordenança entra em vigor em 1º de janeiro de 2020.

O CRA, em sua reclamação, no entanto, argumentou que o decreto entra em conflito com as leis federais e estaduais e essa orientação energética e é inexequível. A associação também questionou a ciência por trás da premissa de que a energia elétrica é melhor para o meio ambiente e disse que os restaurantes sofreriam consequências adversas substanciais se não tivessem a opção de cozinhar em uma chama de gás.

“Os restaurantes contam com gás natural para preparar alimentos, aquecer espaço e água e até fornecer energia de reserva durante quedas de energia”, disse o CRA nos documentos judiciais.

“Muitos desses restaurantes dependem de gás para cozinhar tipos específicos de alimentos, sejam carnes grelhadas por chamas, legumes carbonizados ou o uso de vulcão de calor intenso de uma chama sob uma frigideira chinesa. Restaurantes especializados em alimentos internacionais não poderão preparar muitas de suas especialidades sem gás natural.”

Muitos chefs são treinados usando fogões a gás natural, continuou a queixa, portanto, a perda do uso de gás natural retardará o processo de cozimento, reduzirá o controle do chef sobre a quantidade e a intensidade do calor e afetará o sabor dos alimentos.

“Acreditamos que a proibição de Berkeley representa o início dos esforços para proibir ou restringir severamente todo o uso de gás natural“, disse Jot Condie, presidente e CEO do CRA, em comunicado.

“É impossível exagerar o quão irresponsável isso é no momento em que milhões de californianos se encontram no escuro devido a quedas de energia planejadas. Os cidadãos da Califórnia precisam de energia confiável e acessível, que lhes permita escolher quais aparelhos eles têm em suas casas e empresas.”

Berkeley’s Mayor Jesse Arreguin

O prefeito de Berkeley, Jesse Arreguin, por meio de um porta-voz se recusou a comentar sobre a legislação pendente. Mas quando assinou a lei no início deste ano, Arreguin disse que a medida era necessária, pois cientistas e ambientalistas soam o alarme sobre os perigos de uma potencial crise catastrófica em potencial, se as ações iminentes não forem tomadas.

Ele também apontou para a tradição história progressista de Berkeley.

“Desde a introdução da reciclagem na calçada até a proibição do isopor, Berkeley tem um histórico orgulhoso de ser o primeiro a introduzir legislação inovadora, que hoje se tornou uma prática comum. A história se repetirá com a nossa lei de gás natural.”

Lisa Jennings

Siga-a no Twitter: @livetodineout

Sobre Sindal

Entidade sindical patronal da indústria do Estado de São Paulo, oficializada pelo MTE em 25 de janeiro de 1999, o SINDAL congrega, defende e representa os interesses das empresas que se dedicam à atividade econômica de projetar, fabricar, montar, suprir e dar manutenção em equipamentos e produtos para cozinhas profissionais e para a infraestrutura física de produção de alimentos servidos pelo setor do foodservice em geral.

Veja também

TOPEMA LEVA A RECICLADORA DE LIXO ECO30

APRESENTA A RECICLADORA DE RESÍDUOS ORGÂNICOS ECO30 SUSTENTABILIDADE, EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E PRESERVAÇÃO AMBIENTAL A TOPEMA …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *