EnglishFrenchGermanItalianPortuguesRussianSpanish
Home / Feiras e Eventos / COM PERDAS DE R$ 122 BILHÕES, CRISE NO SETOR HOTELEIRO SE AGRAVA
• Os segmentos de hotelaria e turismo continuam sofrendo os impactos causados pela pandemia do coronavírus em várias regiões do país

COM PERDAS DE R$ 122 BILHÕES, CRISE NO SETOR HOTELEIRO SE AGRAVA

O governo até chegou a apresentar ações para a recuperação do setor, mas as medidas não foram suficientes

  • Por Jovem Pan – 24/09/2020
  • Mesmo com a flexibilização da quarentena, os segmentos de hotelaria e turismocontinuam sofrendo os impactos causados pela pandemia do coronavírus em várias regiões do país. Só o setor turístico, um dos mais afetados, acumula perdas superiores a R$ 122 bilhões. O governo até chegou a costurar uma série de ações entre abril e maio, com pacotes emergenciais para alívio financeiro, mas a medida não foi suficiente para conter os estragos. Segundo o presidente do Instituto de Desenvolvimento, Turismo, Cultura e Meio-Ambiente de São Paulo, Bruno Omori, a recuperação dos segmentos será lenta. “Primeiro no turismo de lazer, ou seja, nas praias e litorais tanto do Sul quanto do Norte e no interior de lazer. E o mercado de turismo de negócios ainda está muito contraído porque não voltaram as feiras, congressos e eventos. As pessoas ainda estão trabalhando no mercado online. A gente precisa que sejam retomados os eventos, sejam retomadas as feiras e tudo seja normalizado. Até porque os protocolos de segurança estão todos prontos e têm toda confiabilidade para passar segurança tanto para o colaborador quanto para o hóspede.”

  • Vítima desse cenário, um dos símbolos do setor hoteleiro paulistano, o Maksoud Plaza, entrou com pedido de recuperação judicial avaliado em R$ 81 milhões. O hotel de luxo voltou a funcionar no dia 4 de setembro, depois de quase seis meses de portas fechadas, mas com uma taxa de ocupação de apenas 3%. A companhia também demitiu, na semana passada, metade de seus funcionários, devido à falta de recursos em caixa para as despesas. Em nota, o Maksoud Plaza e a controladora, a Hidroservice Engenharia, afirmaram que a “recuperação judicial foi a única alternativa encontrada pelo grupo e que é a melhor maneira de honrar os compromissos”. Para o advogado Ricardo Amaral Siqueira, o instrumento é importante em tempos de crise. “A empresa em crise, alvejada por uma série de execuções, fica sem capital de giro e a última análise fica sem faturamento, fazendo com que ela não consiga cumprir a sua função social, que é gerar empregos, pagar tributos e, basicamente, garantir a manutenção de toda cadeia que dela depende”, explica. Se aceita pela Justiça, a recuperação suspenderá por 180 dias as ações e execuções de cobranças contra o empreendimento. O pedido também permitirá que o hotel renegocie prazos, formas de pagamento e refinancie dívidas trabalhistas e com credores.

 

  • *Com informações da repórter Letícia Santini

 

Sobre Sindal

Entidade sindical patronal da indústria do Estado de São Paulo, oficializada pelo MTE em 25 de janeiro de 1999, o SINDAL congrega, defende e representa os interesses das empresas que se dedicam à atividade econômica de projetar, fabricar, montar, suprir e dar manutenção em equipamentos e produtos para cozinhas profissionais e para a infraestrutura física de produção de alimentos servidos pelo setor do foodservice em geral.

Veja também

SUPERMERCADO INSTALA DARK KITCHEN DENTRO DA LOJA PARA DELIVERY

REDE DE SUPERMERCADOS KROGER TRAZ A CLUSTERTRUCK ‘COZINHAS FANTASMAS’ NA SUA LOJA SÓ PARA ENTREGA …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *