EnglishFrenchGermanItalianPortuguesRussianSpanish
Home / Feiras e Eventos / PARA STANFORD, REFEIÇÕES EM RESTAURANTES FECHADOS É A PRINCIPAL CAUSA DE ‘SUPERESPALHADORES’ DO COVID-19
O estudo sugere que empresas como restaurantes devam manter rígidas restrições para impedir a propagação do vírus.

PARA STANFORD, REFEIÇÕES EM RESTAURANTES FECHADOS É A PRINCIPAL CAUSA DE ‘SUPERESPALHADORES’ DO COVID-19

ESTUDO: SEGUNDO UNIVERSIDADE DE STANFORD, REFEIÇÕES EM AMBIENTES FECHADOS É A PRINCIPAL CAUSA DE EVENTOS ‘SUPERESPALHADORES’ DO COVID-19

INTERIORES DE RESTAURANTES SÃO CONSIDERADOS A PRINCIPAL CAUSA DE EVENTOS ‘SUPERESPALHADORES’ DE COVID-19, SUGERE ESTUDO CONDUZIDO POR STANFORD

A indústria de restaurantes responde às alegações do estudo, que também recomenda restrições de 20-25% da capacidade de refeições em ambientes fechados

Negócios internos, especialmente restaurantes – onde grupos maiores de pessoas passam muito tempo juntos – podem ser a causa da maioria dos eventos de superespalhadores do COVID-19 em grandes cidades, um modelo de previsões publicado, sugere em um estudo da Nature.com  conduzido pela equipe de cientistas e pesquisadores da Universidade de Stanford.

“Em média, nas áreas metropolitanas, restaurantes de serviço completo, academias, hotéis, cafés, organizações religiosas e restaurantes de serviço limitado produziram os maiores aumentos previstos de infecções quando reabertos”, disse o estudo – em colaboração, acrescentando que 10% das empresas de “ponto de interesse” estudadas foram responsáveis ​​por 80% de todas as infecções.

O modelo epidemiológico usou dados anônimos de telefones celulares do SafeGraf em 10 das maiores cidades americanas, incluindo Nova York, Los Angeles e Chicago, para rastrear 98 milhões de movimentos de usuários e taxas de infecção de março a maio para prever com precisão onde e quando surtos da doença poderia acontecer.

Os resultados? Há uma relação direta entre o risco de novas infecções e as limitações de capacidade em locais fechados como restaurantes, cafés e bares com serviço completo.

“Nosso modelo prevê que limitar os pontos de interesse em 20% da ocupação máxima pode reduzir as infecções em mais de 80%”, disse o autor do estudo e professor associado de ciência da computação na Universidade de Stanford, Jure Leskovec, durante uma entrevista coletiva.

Por exemplo, o estudo realizou experimentos de reabertura e descobriu que se Chicago tivesse reaberto restaurantes completamente em 1º de maio, haveria quase 600.000 infecções adicionais naquele mês, mas se Chicago limitasse as ocupações de todos os tipos a 30%, a taxa de infecção seria ser cortado em um terço.

Embora o estudo tenha analisado uma variedade de empresas, os autores afirmam que restaurantes em particular estão “entre os pontos de interesse mais arriscados para reabrir em capacidades normais” porque eles tendem a estar em áreas metropolitanas mais movimentadas e atrair grandes multidões de pessoas:

“Em média, os restaurantes tendem a ter mais pessoas por metro quadrado e tempos de permanência relativamente longos”, disse a autora do estudo e candidata a PhD da Universidade de Stanford, Serina Yongchen Chang, ao Nation’s Restaurant News.

“Existem muitas maneiras de reabrir restaurantes de maneiras menos arriscadas: por exemplo, com limites máximos de ocupação reduzidos, aplicação de máscaras, distribuição de lanchonetes, etc.”

Os autores do estudo também afirmam que, ao restringir a capacidade para 20 ou 25%, “as empresas perdem apenas cerca de 40% das visitas em comparação com uma reabertura total com ocupação máxima usual”.

Mas equilibrar considerações de segurança com restrições de capacidade afeta significativamente os resultados financeiros das operadoras, de acordo com uma pesquisa com 400 restaurantes em todo o país divulgada em outubro pela empresa de serviços financeiros Rewards Network.

O estudo mostrou que apenas 29% dos restaurantes previram que seriam capazes de manter suas portas abertas indefinidamente com as restrições de capacidade em vigor, com quase metade dos entrevistados dizendo que durariam menos de um ano sob as atuais restrições de capacidade.

Uma pesquisa semelhante com 400 proprietários de restaurantes, bares e casas noturnas da cidade de Nova York, publicada pela New York City Hospitality Alliance em 12 de novembro, descobriu que, com as limitações atuais de 25% da capacidade de refeições em ambientes fechados na cidade de Nova York, 30% das empresas poderiam não pagar aluguel em outubro.

“O relatório de Stanford é interessante e importante de considerar, mas deve ser analisado no contexto”, disse Andrew Rigie, diretor executivo da New York City Hospitality Alliance, ao Nation’s Restaurant News. “O estado de Nova York, com exceção da cidade de Nova York, tinha 50% de ocupação interna desde junho e as taxas de infecção continuaram caindo, até recentemente, então acho que é preciso levar em consideração os protocolos de segurança em vigor e outros fatores.”

A National Restaurant Association divulgou um comunicado criticando os resultados do estudo, afirmando (entre outras críticas) que, como o estudo analisou apenas os pontos de dados de março a maio, não era uma representação precisa das tendências atuais do COVID e das medidas de segurança do restaurante, como uso de máscara e foi conduzido em um momento em que a maioria dos restaurantes fechava para as refeições no interior. Além disso, eles disseram, o estudo previu taxas de transmissão em vez de usar rastreamento de contato do mundo real.

“Devido às complexidades do mundo real, os modelos preditivos são inerentemente repletos de erros, mesmo nas melhores circunstâncias”, disse a National Restaurant Association em um comunicado “Neste caso, o modelo dos pesquisadores parece se ajustar aos seus dados, então eles concluir que é razoavelmente preciso. No entanto, isso não é suficiente para afirmar que os restaurantes são uma fonte significativa de risco em todos os Estados Unidos.”

Os autores do estudo de Stanford disseram que nas próximas semanas planejam atualizar seus dados e executar previsões de modelo para os próximos meses.

“É difícil dizer antes de realizar os experimentos, mas espero que certas conclusões gerais se sustentem”, disse Yongchen Chang. “Como, por exemplo, aquela reabertura, mas limitando as visitas de cada lugar a uma fração de sua ocupação máxima, é uma forma especialmente eficaz de trazer de volta alguma atividade econômica sem incorrer em um grande número de novas infecções.”

Nation’s Restaurant News – Joanna Fantozzi | 13 de novembro de 2020

Sobre Sindal

Entidade sindical patronal da indústria do Estado de São Paulo, oficializada pelo MTE em 25 de janeiro de 1999, o SINDAL congrega, defende e representa os interesses das empresas que se dedicam à atividade econômica de projetar, fabricar, montar, suprir e dar manutenção em equipamentos e produtos para cozinhas profissionais e para a infraestrutura física de produção de alimentos servidos pelo setor do foodservice em geral.

Veja também

STARBUCKS ABRE PRIMEIRA LOJA DRIVE-THRU NO BRASIL

17 fev, 2021 Depois de investir nos pedidos por aplicativo e no delivery, a rede …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *