EnglishFrenchGermanItalianPortuguesRussianSpanish
Home / Feiras e Eventos / E-COMMERCE VENDE R$ 33 BILHÕES NA PANDEMIA
O SEGMENTO QUE MAIS CRESCEU NO PERÍODO FOI ALIMENTOS E BEBIDAS, COM ALTA DE 241%

E-COMMERCE VENDE R$ 33 BILHÕES NA PANDEMIA

Varejo,  24 jul, 2020

O período de isolamento social imposto pela pandemia do novo coronavírus fez as vendas pela internet dispararem como nunca antes.

Um levantamento da empresa de inteligência de mercado Neotrust/Compre&Confie mostrou que o faturamento das vendas online no segundo trimestre de 2020 foi de 33 bilhões de reais, alta de 104% em relação ao mesmo período de 2019, quando o faturamento ficou em 16 bilhões de reais.

Antes, as vendas pela internet representavam cerca de 5% do total do varejo. Em abril essa proporção chegou a 11%, e em maio chegou a 13%. É um momento histórico para o varejo online”, diz André Dias, diretor executivo da Neotrust/Compre&Confie.

Os segmentos que mais cresceram no período foram alimentos e bebidas, com alta de 241%; seguida por itens de cama, mesa e banho, com alta de 236%; brinquedos, que subiram 211%; móveis, com alta de 174%; e eletroportáteis, com alta de 164%.

Um dos destaques do levantamento, na visão de Dias, é o aumento na venda de bens não duráveis e perecíveis, como alimentos, cosméticos e moda. “O brasileiro estava mais acostumado a comprar eletrônicos e eletrodomésticos pela internet. Agora vemos produtos de mais alto giro ganharem relevância”, diz.

Outro ponto é a chegada de novos consumidores.

De acordo com o levantamento, 24% dos consumidores que compraram pela internet nesse período nunca tinham feito uma compra virtual antes. No período, 23,6 milhões de pessoas compraram pela internet, sendo que 5,7 milhões de pessoas o fizeram pela primeira vez.

“Esse novo consumidor, que comprou o primeiro produto pela internet, viu que a compra online é uma opção, perdeu o medo. Aquele que já estava habituado, passou a comprar outras categorias”, diz Dias.

Com a ampliação das vendas, em especial de categorias com maior recorrência, vêm também os desafios. O principal deles, segundo o executivo, é a logística. “Antes da pandemia, o prazo médio de entrega de um produto era de sete dias, agora é dez dias. A questão é que quem compra alimentos ou remédios quer receber o produto no mesmo dia, ou no máximo no dia seguinte”, afirma.

O novo parâmetro no tempo de entrega vai exigir que as empresas invistam mais em parcerias e soluções para garantir entregas rápidas. Recentemente, o Mercado Livre anunciou a instalação de um centro de distribuição na Bahia. A Amazon já havia anunciado um centro de distribuição em Pernambuco.

O crescimento do e-commerce impulsionou também mudanças na própria consultoria Compre&Confie, que passa a se chamar Neotrust. A empresa é parte da ClearSale, que criou recentemente uma holding, batizada de T. Group e com foco em compras online.

Fazem parte do T. Group a Compre&Confie, que passa a atuar como aceleradora de negócios, a Send4, especializada em logística reversa de compras, a Lomadee, com foco em marketing, a Neotrust, focada em inteligência de dados e a VIPy, um aplicativo para consumidores rastrearem compras online feitas com seu CPF.

Fonte Exame.com

Sobre Sindal

Entidade sindical patronal da indústria do Estado de São Paulo, oficializada pelo MTE em 25 de janeiro de 1999, o SINDAL congrega, defende e representa os interesses das empresas que se dedicam à atividade econômica de projetar, fabricar, montar, suprir e dar manutenção em equipamentos e produtos para cozinhas profissionais e para a infraestrutura física de produção de alimentos servidos pelo setor do foodservice em geral.

Veja também

CORTANDO AS REFEIÇÕES FORA DE CASA

TENDÊNCIAS DO CONSUMIDOR PESQUISA: OS CONSUMIDORES ESTÃO CADA VEZ MAIS CORTANDO AS REFEIÇÕES FORA DE …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *